| | | |

Histórias da minha prática budista de visão, meditação e ação (1)

por 14/08/2009 36 comentários

meditacao_cebb

No início de janeiro, estive em Viamão, em um dos retiros de verão do nosso querido Lama Samten, e duas coisas me chamaram muito a atenção: a primeira foi em uma noite em que o mestre abriu para perguntas e respostas, e em que, como costuma ocorrer com certa frequência, os assuntos saem um pouco do foco do tema, ou acabam por entrar pela seara da discussão cognitiva, sem gancho aparente na prática.

Após cerca de uma hora e vinte minutos amparados na costumeira paciência e gentileza do mestre, ele disse algo mais ou menos assim: “Podemos ficar aqui mais duas horas nestas conversas, mas 10 minutos de meditação terão efeito muito melhor”!

Quando perdemos o foco ou o gancho na prática, a impaciência, uma forma branda de raiva e medo, se manifesta, e vocês podem imaginar meu alívio com as palavras do mestre. Ao mesmo tempo em que agora procuro não deixar a impaciência tomar conta, vejo também que perder tempo pode ser um problema.

A segunda foi o encorajamento que o Lama nos deu para falarmos de nós e de nossas práticas aos demais, que me pareceu uma coisa muito boa; imagino que isso dependa muito de cada um, pois pode ser difícil abrir nossas vidas, mas para mim é uma forma de tornarmos a sanga mais efetiva, pois quando contamos sobre nós, podemos auxiliar quem nos ouve, principalmente quem está começando, e receber suporte dos praticantes mais experientes, que podem ver as limitações de nossa prática com maior discernimento.

Nesses seis anos em que tenho tido as bênçãos dos ensinamentos, da paciência e da presença do Lama Samten, e me beneficiado do suporte e do carinho da sanga, em especial dos praticantes de São Paulo e de Campinas que têm a disposição de aparecer nas minhas práticas, fico com a certeza de que os milagres existem, pelas mudanças cada dia mais fortes e positivas que estão efetivamente ocorrendo. Nas palavras do Lama, “a lucidez vai enfim se manifestar como uma não aflição, como um destemor”. A cada dia meus medos vão se dissipando mais.

Quando comecei, não conseguia meditar, a começar com a dificuldade de sentar-me no chão, passando pela estabilização de energia e mente, que sempre foram obstáculos significativos devido ao meu déficit de atenção. Hoje não só estou me sentando no chão com mais facilidade, como consigo estabilizar mente e energia com relativo sucesso na prática formal, e vejo com alegria a meditação se ampliando pelas demais horas do dia, ajudando a não ceder a impulsos automatizados danosos. E não tomo mais remédios para o DDA/TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade), só nas crises mais agudas, que têm acontecido com intervalos de meses, intervalos crescentes.

Com isso entrei na prática pela ação, procurando cada vez mais não causar danos e gerar benefícios, dando nascimento positivo ao outro, uma vez que a etapa de visão estava também um pouco difícil, pois sempre tive dificuldade com a noção de absoluto, que na minha criação cristã se chama Deus. Quando o Lama falava em Buda Primordial ou natureza ilimitada, eu pensava: “Estou frito. Não vai funcionar!”. Mal sabia eu das boas surpresas à frente, no nosso lindo caminho.

Volto em breve com mais histórias e detalhes! Enquanto isso, deixe um comentário falando de seu próprio percurso também.

Blog Widget by LinkWithin

Carlos Ernesto de Oliveira é professor e consultor. Procura introduzir o Darma em cada ato da vida, falhando repetidas vezes. Está no CEBB SP às terças e no CEBB Campinas aos sábados alternados. | Leia outros posts de


Receba o próximo texto

36 comentários »

  • Gustavo Gitti
    Gustavo Gitti disse:

    Carlos, muito bom saber disso.

    Aguardo o próximo da série!

  • Bruno Murtinho disse:

    O mais difícil tendo DDA é conseguir ter a disciplina para sentar emeditar todo dia. Mas eu chego lá!
    Parabéns pelo artigo

  • thais disse:

    Adorei, Carlos! Estamos no mesmo barco, heim: Quando o Lama falava em Buda Primordial ou natureza ilimitada, eu pensava: “Estou frito. Não vai funcionar!”. Me vi completamente nessa frase!:-) E não é que as boas surpresas vem mesmo?!
    Parabéns pelo relato.

  • Transeunte disse:

    Sempre encarei a meditação como cansativa, enfadonha e mesmo “chata” em geral… Como nunca estive suficientemente interessado no assunto, a minha quase-motivação pra meditar jamais conseguiu vencer meus impetos de distração.

    Que bom saber que isso é possível, mas então como que o amigo efetivamente conseguiu “sentar-a-bunda-e-ficar-quieto” pra meditar, se pra mim quaiquer 2 minutos parado me deixam pra morrer de ansiedade?

    []’s!

  • Carlos Ernesto de Oliveira
    Carlos Ernesto (autor) disse:

    Obrigado, Gus, Bruno e Thaís

    Transeunte, o processo é simples mas é difícil: é só sentar; eu consegui aos poucos, aumentando o tempo bem devagar; até hoje tenho alguma dificuldade,mas dou dicas; i) a ansiedade está inversamente relacionada com a respiração cadenciada e serena. Ache uma posição confortável e respire, fazendo primeiro algumas respirações forçadas, enchendo o abdomen, o peito e a parte superior dos pulmões; já cheguei a fazer cinqüenta destas, para dar um sossega-leão ii) ao passar a respirar serenamente, agora apenas observando sem forçar, localize fisicamente a ansiedade (a minha é na parte superior do peito), e visualize a inspiração e a expiração nessa região. como se isso estivesse reduzindo-a. Neste momento, v. estará observando sua ansiedade, e por isso há uma probabilidade de reduzir o controle que ela pode ter sobre você iii) caso tenha uma boa conexão com o princípio ativo do prajnaparamita, á medida que inspira e expira, recite o mantra focando a ansiedade. A primeira dica pára o show fisiológico da amídala, o cérebro primitivo;as demais dizem bom dia para a ansiedade, e com isso tiram o medo que temos dela, e ela perde a força. Podemos nos corresponder: ceo.itaguassu@uol.com.br.

  • sandra leite disse:

    Agradeço a partilha… Espero pelas próximas…O compartilhar sem dúvida nos permite encontrar o outro e a jornada partilhada é uma jornada mais prazerosa e efetiva porque o homem se revela na sua relação com o outro. Grata. A sapiência do Lama Santem é sempre inspiradora… que venham os 10 minutos de meditação…

  • Fique por dentro Ação » Blog Archive » Histórias da minha prática budista de visão, meditação e ação (1 … disse:

    […] as emoções. Conheça as histórias e insights de um aluno do Lama Padma Samten. fique por dentro clique aqui. Fonte: […]

  • Stela disse:

    Carlos,
    que bom ler o seu texto e ter uma idéia sobre os obstáculos que tiveste e que foram/estão sendo superados.
    Olha, no início eu não conseguia ficar cinco minutos parada. O movimento era tanto, que eu irritava até as pessoas do meu lado.
    Uma vez o praticante sentado ao meu lado, um amigo querido, colocou a mão no meu joelho e disse com o olhar: que tal ficar parada, hein!? Aí eu disse: não consigo, é muita dor no joelho! Aí ele me ensinou a colocar a parte inferior da perna o mais próximo do chão possível, de modo que os joelhos ficassem bem perto do chão. Esse foi o coringa!

    No início todo mundo tem a tendência a sentar como índio, mas essa posição não mantém a coluna ereta.
    Enfim, que bom que eu não parava quieta, pois assim incomodei meu colega que me deu a graça daquela explicação, que corrigiu minha postura!
    abração, Carlos.

  • Manoel Felipe disse:

    Carlos,

    Adorei o seu artigo. Sou praticante ha pouco tempo, cerca de três anos. Também passei pelas mesmas dificuldades no inicio da meditação: Eu tinha muita ansiedade e já tinha tido duas crises de síndrome do pânico quando comecei a meditar. Logo, foi muito difícil estabilizar corpo, energia e mente. Hoje eu consigo a estabilização com certa facilidade, não tive mais crises de pânico.

    Através da meditação descortinei muitas ilusões criadas pela minha mente, assim, me tornei mais calmo, tranqüilo, paciente e desapegado. Ainda estou aprendendo e quase sempre observo algum automatismo em mim, o qual trato de entender e eliminar o mais rápido possível.

    Eu acredito que a iluminação não é um objetivo que temos que alcançar, nós já somos livres, liberados, podemos escolher a bondade, a calma e mudar o foco dos nossos olhares a qualquer momento. A parte mais difícil é enxergar a nós mesmos de frente, enxergar o ego e admitir que somos o nosso próprio inimigo. Quando passamos a não crer em nós mesmo, no sentido do ego, então estamos olhando pela perspectiva do nirvana. Quando seguimos o ego, seguimos nossos automatismos sem questioná-los, então estamos olhando pela perspectiva do samsara.

    Nirvana e samsara são a mesma coisa. Nós temos liberdade de olhar focados em conceitos estreitos ou de não ter foco algum.

  • Nair disse:

    Olá Carlos!

    Sabe senti um alívio ao ler o seu depoimento sobre meditação,
    pois vejo que as minhas dificuldades não são só minhas. Fazem
    parte de um processo. Mas, que não é fácil, não é fácil.
    Muito obrigado pelo seu depoimento.

    Desejo muita Luz e Paz para você

  • Carlos Ernesto de Oliveira
    Carlos Ernesto (autor) disse:

    Sandra, Stela, Manoel e Nair

    Grande obrigado pelos comentários e pela renovada motivação de escrever que eles geram; Manoel parece um irmão, tal me parece nossa semelhança de prática; lembra-me Trungpa Rinpoche: sem medo e sem esperança, sem elogios e sem culpa; sem apegos e sem aversões; apenas lidar com a vida como ela vem.

  • Sonia Pequeno disse:

    Carlos, que inspirador seu depoimento. Deu pra sentir o carinho em cada palavra e o desejo de nos motivar a manter o foco.
    Sei que vc. nao aprecia elogios, mas saiba que nós, aqui de Campinas, nos sentimos muito alegres em ter vc. conosco. Estou esperando a continuação.
    Abraços/Sonia

  • Carlos Ernesto de Oliveira
    Carlos Ernesto (autor) disse:

    Querida Sônia, pode contar com a continuação; na seqüência vou contar como foi a minha forma, vivida, de descobrir a ligação dos ensinamentos de virtude, meditação e sabedoria com o veneno do autocentramento, que é minha maneira preferida de ver o javali. No que respeita à nossa sangha de Campinas, é uma alegria e um aprendizado inestimáveis para mim ter esta oportunidade de conviver e praticar.V. está no meu coração.

  • maria aparecida disse:

    Olá, Carlos!

    Sou “simpatizante” do Budismo, pois apesar de ter tido a maravilhosa oportunidade de ter tido contato com o mesmo, logo pós adolescencia, tenho “ainda” muita dificuldade para “praticar” o que o que acho que de ser a “verdadeira” meditação.Mas por ser uma pessoa bastante persistente, e só desistir, quando todas as possibilidades esgotam-se, acredito que em algum momento “certo”, conseguirei despertar verdadeiramente.

  • Ana Cardoso disse:

    Oi Carlos,
    Que bom descobrir que você está também aqui, com textos tão bons e inspiradores.
    Vou ficar de olho nos próximos.
    Carinho
    Ana

  • Carlos Ernesto de Oliveira
    Carlos Ernesto (autor) disse:

    Ana, obrigado!

    Aparecida, no início a meditação é voltar a atenção à respiração, ou objeto que escolher, tantas vezes quantas forem necessárias;com isso v. se livra de idéias de perfeição ou de “verdadeira” meditação; escreva-me se precisar de mais dicas: ceo.itaguassu@uol.com.br; boa prática!

  • Carmem disse:

    Olá Carlos!
    Saudações aqui do Arraial Dajuda na Bahia, gostei de seu enfoque com relação a sanga, acho realmente importante todas as experiências vivenciadas dentro desta comunidade maravilhosa que aos poucos vai se formando e se transformando em nossa base para uma melhor capacidade de entender o próximo e podermos nos incerir de modo positivo na sociedade, cada membro é um representante de uma linha de comportamento, quanto mais difíceis mais ricas as experiências com estas pessoas, isto nos torna mais lúcidos para perceber a diversidade, que cada ser sensciente possui seus méritos seus defeitos mas principalmente sua preciosa natureza búdica a ser descoberta e compartilhada.

  • Carlos Ernesto de Oliveira
    Carlos Ernesto (autor) disse:

    Olá, Carmem

    Uma beleza seus comentários, pois às vezes esqueço que teremos dificuldades com nossos copraticantes, e que eles próprios vão nos ensinar estabilidade. sabedoria e compaixão, se estivermos com o ensinamento claro em nossas mentes. Neste exato momento estou tendo algumas lições valiosas nesse sentido…muito obrigado!

  • Milton Sato disse:

    Grande Carlos;

    Caminhando e cantando
    E seguindo a canção
    Somos todos iguais
    Braços dados ou não
    Nas escolas, nas ruas
    Campos, construções
    Caminhando e cantando
    E seguindo a canção…DA SABEDORIA E COMPAIXÃO.

    Abração;

    Milton

  • William disse:

    Estou conhecendo o Budismo recentemente, e também sofro de TDAh, e é legal encontrar alguém que também sofre isso e encontrou refúgio no Budismo. Porém pra mim, meditação, organização, disciplina, estabilidade, paciência e concentração são extremamente difíceis.
    Gostaria muito, se possível, entrar em contato com vc a respeito disso.
    Abraço,

  • Carlos Ernesto de Oliveira
    Carlos Ernesto (autor) disse:

    Milton, meu amigão, só agora vi seu comentário de Março; não recebi o link por e-mail; obrigado pela inspiração; abração;

    William, conte comigo, terei muito gosto de falar com v.; procure-me no skipe, por favor:carlos.oliveira45

  • Um praticante disse:

    Conheci o Dharma pela dor. Foi em Janeiro deste ano.
    O pratiquei. Os resultados foram imediatos. Cada vez
    mais alegre com a prática. Semana passada, pela primeira
    vez, ouvi a presença generosa e suave do Lama Padma Samten.
    É assim…

  • Janice Mara disse:

    Oi Carlos, bom dia!
    Agradeço muito seu relato.Senti muita empatia com ele, em relação às suas dificuldades no início das práticas de meditação. Salvei em Favoritos e vou ler novamente, para compreender melhor as dicas.
    Eu passo por dificuldades que me levam a praticar superficialmente: sinto muita impaciência comigo e com as pessoas, no dia a dia e acabo por me boicotar muito na meditação.
    Pretendo fazer um super esforço para praticar com disciplina.
    Muito grata, desejo amor e paz a você.

  • Carlos Ernesto de Oliveira
    Carlos Ernesto (autor) disse:

    Oi, Janice, boa tarde

    A impaciência tem sido um veneno muito potente na minha vida, e só agora percebo com clareza o dano que ela causou, e ainda causa; minha impressão é que temos que tomar consciência dela, lidar com ela, às vezes mesmo sem saber direito como, pois ela mesma pode nos apontar a saída. Nem colocá-la debaixo do tapete, nem tentar cortar a cabeça dela. Apenas tomar consciência, tantas vezes quantas forem necessárias, e respirar com ela.

    Cuide-se bem.Abraço. Disponha de mim.

    Carlos
    skipe: carlos.oliveira45

  • Histórias da minha prática budista de visão, meditação e ação (2) | Bodisatva: um olhar budista disse:

    […] Como comentei antes, minha prática começou pela ação, pelo uso da liberdade de escolher como agir, no nível de corpo. Foi uma descoberta a posteriori, pois de modo geral não me estava clara essa liberdade. Na verdade, quando me propus a ficar atento a cada relação, ao longo do dia, para não agir da forma impulsiva costumeira, dando espaço para a impaciência, estava apenas exercitando as etapas de resolver e controlar, como uma disciplina que estava me auto impondo. Já havia percebido o sofrimento recorrente de responder com impaciência a percepções acerca das situações e do outro. Começava a verdadeira renúncia, a renúncia ao sofrimento. […]

  • Rosana disse:

    Muito bom!!!Parabens!!!

  • David Montenegro disse:

    Oi Carlos Ernesto, bom dia!

    Meu nome é David Montenegro. Moro em Fortaleza e desde agosto do ano passado tenho frequentado alguns retiros promovidos pelo Lama Santem em PE, SP e no RS. Li seu depoimento de 2009, hoje, no site do CEBB, e fiquei bastante tocado com a maneira franca, direta, aberta e clara como vc nos conta alguns fatos de sua prática. Fiquei especialmente interessado na questão relacionada às dificuldades que enfrenta (e vem superando) pelo fato de apresentar um quadro de TDAH. Tenho um filho de 7 anos que, recentemente, recebeu esse diagnóstico e isso me deu uma grande tristeza por pensar que ele não seria capaz de, um dia, trilhar o caminho do Darma. Gostaria que vc soubesse que suas palavras me ajudaram a desmistificar algumas impressões (e preconceitos) em relação ao TDAH e que isso irá, com certeza, me ajudar bastante a ajudar meu filho. Espero poder conhecê-lo quando for a SP novamente (estive aí em março último no retiro sobre motivação) ou em algum outro evento de nossa Sanga. Agradeço-lhe também pelas dicas que nos dá sobre pontos específicos da prática formal. Um grande abraço!

  • Naiane Baeta disse:

    Carlos,

    Muito obrigada por compartilhar suas experiências conosco.
    Recebi de uma amiga o livro “Mandala do Lótus”, de Padma Smaten há cerca de um ano, ou mais. No entanto, só iniciei a leitura esta semana.
    Estou maravilhada e seu post veio a me somar forças. Muito obrigada.
    Paz!

  • F. disse:

    Caro Carlos Ernesto,

    Peço sua orientação no seguinte sentido: hoje foi mais um dia de auto questionamento e sofrimento, como tantos outros. De fato, já fui a alguns especialistas que receitaram anti-depressivos, que uso (a contragosto) há 2 anos, mas não sinto tanto seus efeitos positivos. Me questiono quanto ao diagnóstico preciso do transtorno do humor, contudo, o sentimento de angústia, desconforto, opressão no peito, ansiedade, irritação e vazio são insuportáveis, e já pensei em abandonar a vida. Tudo isto deve ter relação com o fato de ser portador de uma moléstia para a qual ainda não há cura, apenas tratamento, e suas consequências, como o medo, a impotência, a urgência de fazer tudo hoje, como se não fosse haver amanhã. Sou guerreiro, mas estou cambaleante. Já pratiquei meditação, e gostaria muito de voltar, mas a dúvida de estar praticando corretamente (já que não tenho orientação de um mestre ou professor, e onde moro não há locais específicos para a prática)ou de estar obtendo (ou não) resultados me desestimula, e então páro com a prática. Quero olhar pra mim mesmo, me observar, como se pode conseguir isto? E como meditar, fazendo disto um benefício para o autoconhecimento e compreensão das causas, muito mais do que dos efeitos no nosso campo psicológico, emocional e físico? Ficaria muitíssimo grato se pudesse me orientar. Um grande abraço.

  • Carlos Ernesto de Oliveira
    carlos ernesto (autor) disse:

    Caro F.

    A pedido de Lucas, publico a resposta que lhe mandei diretamente ao seu e-mail, dia 12DEZ11; Lucas acha que outros poderiam se beneficiar:

    ASPAS

    Certamente posso orientá-lo, será uma alegria para mim. Também tenho um diagnóstico recente de bipolaridade, e os sintomas que descreve são muitíssimo parecidos com os meus, doem muito, e também já pensei em suicídio.

    MAS ENCONTREI UMA SAÍDA, que eu gostaria muito de partilhar com você.

    A) durante 6 anos eu me neguei a tomar remédios achando que só a meditação daria jeito; NÃO DEU; agora tomo remédios e também medito; as duas coisas fazem mais efeito do que uma ou outra isolada; uma ajuda a outra; sugiro fortemente que não crie antagonismo com os remédios;

    B) a cada vez que angústia, desconforto, opressão no peito, ansiedade, irritação e vazio aparecerem, se for possível, SENTE-SE; uma posição confortável, qualquer uma, sentado ou deitado;

    – faça três respirações forçadas, longas, inspirando bem devagar, enchendo barriga e peito, e expire lentamente;
    – em seguida faça 21 respirações, mas começando a inspiração logo após terminar a expiração, contando de 1 a 21, na expiração, sem perder a contagem; se perder a contagem, comece do 1 novamente; tendo feito as 21 respirações,
    – respire naturalmente, do jeito que sua respiração estiver, agitada ou calma, não importa, e veja se com o tempo ela se acalma; não é preciso que ela se acalme; apenas observe a respiração, sem contar; após a expiração, deixe que a inspiração venha sozinha; não force; haverá um intervalo entre a expiração e a inspiração;
    – nesse intervalo, reconheça a angústia, desconforto, opressão no peito, ansiedade, irritação e vazio, diga bom dia a eles, e deixe-os ali pelo tempo que puder; faça amizade com eles; convide-os a se sentar; cheire-os, apalpe-os, toque-os e apenas observe, não tente livrar-se deles; são apenas pensamentos, basta conter a resposta automática habitual a eles, nem que seja por um segundo;
    – com o tempo v. perderá o medo deles, e tudo ficará mais fácil.
    C) Procure não usar álcool ou drogas, ou comida, ou compras, ou sexo como válvula de escape; se o fizer tudo bem, mas perceba se é uma forma de afogar a aflição;

    D) quando apertar demais, me chame no celular ou no skype (abaixo), que eu levo você;

    E) se possível, procure uma terapia não medicamentosa, pelo menos semanal, com terapeuta de sua confiança, até passar esta fase mais difícil;

    F) conheço uma abordagem da psicologia da educação para localizar as premissas falsas (pensamentos negativos) que geram estas aflições e terei prazer em mandar-lhe os textos, tão logo esta crise passe, para v. treinar. Agora acredito que só atrapalharia.

    Disponha de mim a qualquer hora do dia ou da noite;

    Carlos Ernesto de Oliveira
    11.3664.8674
    11.9985.3447
    skipe: carlos.oliveira45

    ASPAS

  • Lucas disse:

    Legal Carlos! E que sua experiência continue a ajudar a muitas pessoas! Como ajudou a mim! Abraços!

  • Geisa disse:

    Caro Carlos,
    Gostaria de deixar registrado meu agradecimento por ter encontrado sua experiência com a meditação através de seus relatos. Desenvolvo trabalho de suporte como Coach e a meditação é algo que procuro integrar sempre em meu trabalho. Como autodidata procuro sempre diferentes fontes para auxiliar-me e ontem particularmente procurava meditação para auxiliar-me em diminuir os efeitos de uma tensão pre-menstrual que de 06 meses para cá tornou-se algo muito presente em meu dia a dia…Quando li suas orientações práticas nas respostas, fiquei encantada com sua disponibilidade em dividir seu conhecimento e seu Amor! Não conheço nada sobre a instituição ou o grupo que vc faz parte, mas gostaria de te dizer que seu relato sincero e autêntico vêm ajudando de uma forma brilhante nossa humanidade! Muita luz e paz! Um grande abraço, Geisa

  • Marcia disse:

    Olá Carlos, achei seu site pesquisando sobre o Lama Padma Samtem…Li alguns depoimentos e resolvi te escrever pra te pedir uma ajuda… Estou deprimida e gostaria de seguir o caminho da meditação…
    Gostaria muito de um auxílio. ..
    Grata, abraços,
    Marcia

  • Carlos Ernesto de Oliveira
    Carlos (autor) disse:

    Bom dia, Márcia

    Meu celular é (11) 999853447 e meu Skype é carlos.oliveira45; disponha

  • new york evening dress disse:

    This is a decent very good opinion,i appreciate the application.
    new york evening dress http://www.lovenewyorkdress.com/evening-dresses_c91.html

  • Carlos Ernesto de Oliveira
    Carlos (autor) disse:

    Dear NYED,

    Thank you very much for your appreciation.

Deixe seu comentário!

Esse site usa o sistema Gravatar. Para que sua foto apareça, basta se cadastrar.