| | |

Sogyal Rinpoche – O mestre que nos ensina a viver e a morrer

por 9/01/2013 11 comentários

Por que não realizamos em vida as práticas específicas que nos preparam para o momento da morte? O que mais temos medo na hora de morrer? O que nos conforta? E qual a melhor maneira de ajudar aqueles que estão morrendo? Aqui, Sogyal Rinpoche responde a essas e outras questões numa entrevista especial para a revista Bodisatva feita durante a sua estadia no Brasil em novembro de 2010.

O que se pode perguntar para um mestre que escreveu uma obra tão profunda e completa como O Livro Tibetano do Viver e do Morrer? Como estar em sua amorosa presença e ainda conseguir direcionar a entrevista para obter mais informações sobre os temas abordados por ele? Um simples encontro e o prolongado aperto de mão, que durou durante todo o tempo em que estivemos juntos em São Paulo, foram suficientes para acalmar meu coração. Rinpoche responderia as perguntas feitas anteriormente durante a palestra e direcionaria as respostas abordando a questão da morte e da importância de se estar na natureza da mente, os dois pontos centrais das questões enviadas a ele por e-mail. Fui autorizada a usar trechos de seus ensinamentos realizados tanto em São Paulo, como os do Rio de Janeiro e Porto Alegre, com exceção daqueles que antecediam imediatamente a transmissão direta feita em pleno auditório da capital paulista, sem ngondro, e para pessoas de diversas tradições.

Nunca em sua vida Rinpoche daria tão abertamente esses altos ensinamentos relativos ao Dzogchen, finalizados pela fortíssima e inesperada transmissão direta destinada ao atento público presente na palestra A Quintessência do Livro Tibetano do Viver e do Morrer, em São Paulo. “Dei a transmissão porque vi que havia condições auspiciosas para isso”, me disse ele depois com sorriso. Rinpoche também havia se referido ao fato de que não sabia se voltaria de novo ao Brasil. Portanto, estar junto ao público brasileiro poderia ser uma oportunidade única, que certamente ele não quis desperdiçar. Nesta edição da revista Bodisatva você poderá ler as respostas de Rinpoche sobre a vida e a morte, e na Bodisatva online, um extenso relato sobre a natureza da mente. Acompanhe agora suas palavras.

Bodisatva:
Por que temos tanto medo da morte?

Sogyal Rinpoche:
Porque por trás do medo da morte está o medo de encarar a si mesmo. O instante da morte é o momento da verdade. Ela é como um espelho, no qual o verdadeiro sentido da vida está refletido. Na tradição monástica cristã há uma expressão em latim, memento mori, que significa lembre-se da morte, ou mais especificamente, lembre-se de que vai morrer. Se você se lembrar da morte, vai entender o que é a vida. A morte é a fundação e o verdadeiro coração do caminho espiritual. Se você se recordar de que vai morrer, vai se lembrar da preciosidade da vida – e essa verdade está presente em todas as grandes tradições: budismo, cristianismo, hinduísmo… Pensar na morte é o cerne do caminho espiritual. Milarepa, o grande santo e poeta que inspirou milhões de seres, disse: Aterrorizado pela morte, refugiei-me nas montanhas, meditei muitas e muitas vezes sobre a incerteza da hora da morte. Mas ao conquistar a fortaleza da natureza da mente infinita e imortal, todo o medo acabou para sempre. É por isso que o meu livro fala tanto dessa contemplação da hora da morte. Existe também uma citação de Maomé. Quando perguntaram a ele como você faz para polir o coração, como você se livra da ferrugem, das aparas do coração? Maomé respondeu: Pela lembrança de Deus e por muito pensar na morte. De fato, pensar na morte é muito próximo de se pensar em Deus, porque a morte traz para você o que Deus é. Mas infelizmente, na vida contemporânea as pessoas não veem a vida e a morte como um todo. Com isso ficam muito apegadas à vida e rejeitam e renegam a morte. Hoje em dia as pessoas também pensam na morte como um tipo de derrota ou de perda. Mas do ponto de vista espiritual, a morte não é uma tragédia a ser temida, mas uma oportunidade preciosa para a transformação.

Bodisatva:
Só que nos esquecemos de lembrar da morte durante a vida, estamos ocupados demais para isso.

Sogyal Rinpoche:
Sim, nos mantemos muito atarefados o tempo todo: é uma preguiça ativa (risos). A morte, por sua vez, nos diz que é preciso parar de nos enganar – quando você acertar as contas com a morte você acerta as contas com sua vida. A morte é o sinônimo da vida, o seu prolongamento; na verdade, ela é a parte mais importante da existência, por isso é que ela acontece no final! (risos). É a morte que vai nos apresentar a conta. Tem uma expressão em francês que diz: Agora, a dolorosa, por favor! (risos). Mas com frequência, só começamos a pensar na morte quando estamos para morrer. Não é um pouco tarde demais? Os ensinamentos nos mostram que deveríamos nos preparar para morrer agora, quando estamos bem, com estado mental feliz, principalmente nos momentos em que você está inspirado, predisposto à introspecção, quando começamos a ver a vida e a morte de uma maneira mais profunda.

Bodisatva:
O que dizer ou fazer quando se está ao lado de uma pessoa que vai morrer?

Sogyal rinpoche:
Sempre que você estiver com uma pessoa que está morrendo, enfatize o que ela realizou de bom durante a vida, o que ela fez bem. Ajude-a a se sentir tão construtiva e feliz quanto possível com relação à existência dela. Concentre- se nas suas virtudes e não nos seus defeitos. A pessoa que está morrendo fica muito vulnerável à culpa, ao remorso e à depressão. Permita que ela expresse isso livremente, ouça-a e escute o que ela diz. Mas, ao mesmo tempo, se o momento for apropriado, não deixe de lembrá-la da sua natureza búdica e encorajá-la a repousar na natureza da mente. Em especial, lembre à pessoa que a dor e o sofrimento não são tudo o que ela é. Encontre a maneira mais hábil e sensível de inspirá- la e dar-lhe esperança, ao invés de enfatizar seus erros. Assim ela poderá morrer num estado mental mais pacífico.

Bodisatva:
Qual a melhor maneira de estar ao lado de quem vai morrer?

Sogyal rinpoche:
Acho muito importante dizer isso: quando você ajudar alguém nessa condição, o mais importante não é o que você diz, mas o que você é, a sua presença. E a sua presença é especialmente importante se você for um praticante que tem a realização da natureza da mente e puder permanecer nesse estado de realização na presença daquele que está morrendo. Isso é extremamente poderoso. Vejo isso por mim mesmo: nessa presença, o amor que é sustentado pela natureza da mente é o amor apoiado pelos budas. Você se torna como um embaixador deles. O amor inspirado pela natureza da mente é tão poderoso que pode eliminar o medo do desconhecido. Se você puder introduzir essa paz – sentindo muita paz, vendo a natureza da mente se manifestando de uma forma muito poderosa, como uma radiação quente – se você conseguir isso será extraordinariamente poderoso e benéfico.

Bodisatva:
O que mais pode contribuir para que a pessoa sinta um maior conforto psicológico e espiritual nesse momento?

Sogyal Rinpoche:
A pessoa que está morrendo precisa ter a coragem de perceber que esse é o tempo da reconciliação com amigos e parentes, e assim eliminar do coração todo ódio e ressentimento. Nem todos creem numa religião formal, mas acho que quase todos acreditam no perdão, e você pode ser de incomensurável utilidade para a pessoa que vai morrer ajudando-a a ver a aproximação da morte como o tempo perfeito para reconciliação e a avaliação de uma vida. Todas as religiões dão ênfase ao poder do perdão, que nunca é tão necessário e tão profundamente sentido como no momento da morte. Por meio do perdoar e do ser perdoado, nos purificamos da escuridão gerada por aquilo que fizemos e nos preparamos para a jornada através da morte. Com base na sua prática espiritual, você pode transformar o ambiente e inspirar sentimentos sagrados como amor, compaixão e devoção na mente da pessoa que está morrendo, no momento da sua morte.

Bodisatva:
E como ajudar uma pessoa assustada que não tem nenhuma crença espiritual?

Sogyal Rinpoche:
Um conselho simples é: olhe nos seus olhos com amor e confiança, seja claro, invoque a presença dos Budas ou de Cristo e dê-lhes o ensinamento essencial porque no momento da morte eles vão estar abertos a isso, particularmente se você for genuíno e autêntico e não estiver pregando. Outra coisa importante quando formos ajudar alguém que está morrendo é dar o nosso amor, com todo o coração, sem quaisquer condições, tão livres quanto possível de apego, sem medo, destemidamente, amar.

Bodisatva:
E se a pessoa não quiser falar sobre a morte ou não aceitar que está morrendo?

Sogyal Rinpoche:
Você ainda pode amá-la, dizer coisas amorosas sem mencionar a morte. Se entramos em contato com a natureza da nossa mente, se a estabilizamos através da nossa prática espiritual e a integramos às nossas vidas, então o amor que temos para dar só pode ser profundo, porque vem de uma fonte mais profunda, do nosso ser mais interno, que é o coração da nossa natureza iluminada. Esse coração tem um poder especial de libertar a nós mesmos ou a alguém que esteja morrendo. Esse tipo de amor, que é o amor além de todo apego, é como o amor divino de que se fala tanto no cristianismo quanto no hinduísmo; é o amor de todos os budas. Nesse estado sem fabricação, mesmo sem pensar, podemos sentir a presença de Buda sem esforço. É como se tivéssemos nos tornado o representante dele, com nosso amor apoiado pelo seu amor e infundido com a sua bênção e compaixão. O amor que brota verdadeiramente da natureza da mente é tão abençoado que tem o poder de dissipar o medo do desconhecido, de dar refúgio à ansiedade e de dar serenidade, paz e, além disso, trazer inspiração na morte e além dela. E descobriremos por nós mesmos que quanto mais conseguirmos purificar nossa prática espiritual, mais natural e mais eficaz será a ajuda espiritual que daremos para os que estão necessitados, porque o modo como nós somos, o nosso ser, a nossa presença é muito mais importante do que o que dizemos ou fazemos. E quando você ajuda desta forma, é extraordinário, não só para a pessoa que está morrendo, mas também para a família.

Bodisatva:
Existe algum treinamento para quem quiser se aperfeiçoar nessa prática?

Sogyal Rinpoche:
Sim. Você pode desenvolver um treinamento chamado cuidado espiritual com elementos emocionais e práticos. São empregados elementos da espiritualidade, mas sempre relacionado à religião da pessoa. Até agora já treinamos cerca de 30 mil pessoas, entre enfermeiros e médicos, sobre como dar esse cuidado espiritual no momento da morte.

Bodisatva:
Além de estar na natureza da mente, para quem tem essa realização, o que mais pode ser feito nesse momento? Como podemos nós mesmos nos preparar para morrer e qual a maneira mais simples de se realizar o phowa?

Sogyal Rinpoche:
Outro ponto essencial é unir a sua mente com a mente iluminada dos budas – é a prática mais importante nesse momento, e é a que eu vou expor agora. Phowa, em tibetano, quer dizer “transferência da consciência”. A prática do phowa é mais poderosa e valiosa no momento da morte de todas que eu já encontrei. Eu vejo um grande número de pessoas praticando-a com entusiasmo durante a vida. E gostaria de enfatizar que qualquer um pode fazer essa prática. Ela é simples, mas é a prática mais essencial que podemos fazer para nos prepararmos para nossa própria morte, e é também a prática principal que eu ensino aos meus alunos para ajudarem os seus amigos e parentes que estejam morrendo.

Bodisatva:
O senhor poderia descrevê-la?

Sogyal Rinpoche:
Sim. No céu à sua frente, você invoca a corporificação de qualquer verdade em que você crê sob a forma de uma luz radiante. Escolha qualquer ser divino ou santo de quem você se sinta próximo: para os cristãos pode ser Deus ou Cristo, para os budistas pode ser Amitaba, que é o Buda de luz ilimitada e a deidade mais associada com o momento da morte. Se você não se sente conectado com nenhuma figura em especial, simplesmente imagine uma forma em pura luz dourada no céu diante de você. O ponto importante é que considere que o ser que você está visualizando ou que sente presente, seja a corporificação da verdade, sabedoria e da compaixão de todos os budas, mestres, santos e seres iluminados. Não se preocupe se você não conseguir visualizá- los claramente; apenas sinta-os em seu coração, preencha o coração com a sua presença e tenha confiança de que eles estão ali. Na segunda parte dessa prática, foque sua mente, seu coração e sua alma nessa presença que você invocou. Reze a ela que por meio de suas bênçãos, graça e orientação, por meio do poder da luz que flui dela para você, que todo o carma negativo dos seus pecados, emoções destrutivas e bloqueios sejam purificados e removidos. Peça para ser perdoado por todo o dano que possa ter pensado ou causado. E que possa realizar essa prática profunda de phowa, da transferência de consciência, e que possa morrer de uma forma boa e pacífica. E por meio do triunfo de sua morte, que você seja capaz de beneficiar todos os seres, vivos ou mortos. Essa é a oração. Na terceira parte, você imagina que a presença de luz que você invocou ficou tão comovida com sua oração sincera que responderá com um sorriso amoroso e emanará compaixão e amor na forma de raios de luz que saem do seu coração. À medida que esses raios de luz tocam e penetram você, eles eliminam todo o seu carma negativo, as suas emoções negativas que são a causa do seu sofrimento. Você vê e sente que está completamente imerso em luz e amor. Em quarto lugar, você sente nesse momento que está completamente purificado e curado pela luz que fluiu daquela presença. Considere agora que seu próprio corpo, criado pelo carma, se dissolve em luz. Esse corpo de luz que você agora é voa até o céu e se funde inseparavelmente com a presença bem aventurada daquela luz. Permaneça nesse estado de união com a presença pelo maior tempo possível.

Bodisatva:
Como podemos fazer o phowa para quem está morrendo?

Sogyal Rinpoche:
O princípio e a sequência dessa prática para ajudar alguém que morre são exatamente os mesmos. A única diferença é que você visualiza o Buda ou o ser espiritual acima da cabeça de quem está morrendo. Você imagina que raios de luz emanam em direção a essa pessoa e que purificam todo o ser dela. Aí a pessoa se dissolve em luz e se funde nessa presença espiritual. Você pode fazer essa prática durante a doença de um ente querido e, particularmente mais importante, quando a pessoa estiver dando o seu último suspiro, no momento exato da morte ou imediatamente após a respiração ter parado, antes que alguém toque o corpo, antes dele ser tocado ou perturbado de qualquer forma. Se a pessoa que está morrendo sabe que você está fazendo essa prática para ela e sabe qual é a prática, isso é uma grande fonte de inspiração e de conforto.

Bodisatva:
E o que não deve ser feito quando nos preparamos para a morte?

Sogyal Rinpoche:
O grande mestre Dzogchen Dodrubchen Jigme Tenpe Nyima, que foi mestre do meu mestre, deu o seguinte ensinamento: “Não se sinta nervoso ou apreensivo a respeito da morte, ao contrário, tente elevar o seu espírito e cultivar um sentimento de clara alegria trazendo à mente todas as coisas positivas e virtuosas que você fez no passado. E sem sentir qualquer traço de orgulho ou arrogância, celebre as suas realizações uma por uma”. O principal é o seguinte: no momento da morte, abra mão de apego e aversão. Mantenha coração e mente puros. E se você é um praticante espiritual, se reconheceu a natureza da mente e praticou em sua vida, no momento da morte, lembre- se da luminosidade básica e da clara luz surgindo. Na verdade, quando um grande praticante morre é isso que se diz a ele. Para os meus alunos que estão no momento da morte, é esse o conselho que eu dou, lembrem- se da natureza da mente, da clara luz. Fiz um dvd sobre isso, que também pode ser mostrado para o praticante que está próximo do processo de morrer. É como se eu estivesse ao seu lado, presente. Pensem em mim e eu estarei ali.

 

Blog Widget by LinkWithin

A revista Bodisatva foi criada na primavera de 1990 e parou de ser publicada em 1998. Em 2007, voltou a ser editada devido a uma nova fase do Budismo no Brasil, na qual se torna prioritário responder aos desafios culturais e sociais contemporâneos. O conteúdo continua oferecendo um olhar budista para todas as áreas da vida, da economia à ecologia, das artes à psicologia, dos relacionamentos amorosos aos corporativos. | Leia outros posts de


Receba o próximo texto

11 comentários »

  • Laura disse:

    Gostaria de comprar esse DVD sobre a natureza da mente e da clara luz a que se refere o Rimpoche…
    Alguém sabe onde?

    Achei extraordinária essa entrevista sobretudo pela generosidade de ensinar com tanta clareza essa pratica simples e profundamente importante.
    Obrigada a vcs da revista….as vezes é difícil para alguns praticantes terem acesso físico a esses mestres e ..viva a internet :-)

    Abraço

  • James disse:

    Obrigado pelo texto, sou um estudante francés de Sogyal Rinpoche morando aqui, em Florianopolis.

    Cara Laura, você pode achar compilaçoes dos numerosos ensinamentos dados por Rinpoche na loja Zam, na pagina internet:

    http://www.zamstore.com/index.php?main_page=index&cPath=841_843_871&zenid=2g8bpigfor0jenqtrak4lnm105

    Os CD’s e DVD’s sao em 6 linguas, ainda nao em português.

    Abraço

  • Anderson disse:

    Não consegui encontrar o link (ligação) na revista online para um extenso relato sobre a natureza da mente que completa a entrevista! Podemos ler no começo da entrevista essa informação sobre o complemento da reportagem:
    “Nesta edição da revista Bodisatva você poderá ler as respostas de Rinpoche sobre a vida e a morte, e *na Bodisatva online, um extenso relato sobre a natureza da mente*.”

  • pema rinchen disse:

    Obrigado querido Pema Sidi Hung! Parabéns, genuinamente Auspicioso a meu ver. Abraço e carinho, pema rinchen.

  • Manuel Astudillo disse:

    Agradecimiento mayúsculo al MAESTRO Sogyal. Su SABIA ENSEÑANZA ayudó a nuestra Hermana, Esposa y Progenitora Mirta Del Valle en su preparación para su muerte y los siguientes pasos lo damos cada día procurando seguir la dirección por Ud. enseñada. Gracias a nombre de toda ésta familia.

  • Joci Elen Wassilauskas disse:

    Simplesmente sensacional…. no momento me sinto em constante transformação…. Ouço no momento o Mantra Saudando os Espiritos Sagrados Radha Soami Deva Devi…. Ontem procurando por Mantras o encontrei e logo me identifiquei… e hoje essa benção de entrevista… Amei e me encontro a cada dia… Belíssimo …

    Obrigada por mais ensinamentos..

    Namastê

  • maria dos anjos disse:

    Li pela primeira vez, há muitos anos, e gostei muito.
    Mas hoje, tenho uma compreensão diferente.
    De cada vez que leio, parece haver uma visão diferente, é como se houvesse sempre qualquer coisa de novo, em que não reparei.
    Tomar consciência da morte, é tomar consciência da vida, valorizarmos a vida, vivê-la com intensidade, considerá-la como uma passagem.

  • Luiz Mauricio Neto disse:

    Boa tarde!

    Excelente entrevista, com esclarecimentos em linguagem simples e objetiva.
    Encontrei este link por meio do facebook e, interessante é que ganhei o livro de Sogyal Rinpoche “O Livro Tibetano do Viver e do Morrer”.

    Então, agora, a satisfação de lê-lo vai ser maior.

    Grato pelo compartilhar.

    Luiz Maurício Neto

  • José Horácio Nogueira Feijão disse:

    Li “O Livro Tibetano do Viver e do Morrer”, que me ajudou muito, quando da morte de minha mãe. Agora estou querendo comprar “Guérir et purifier le corps, l’esprit et le coeur”, onde posso adquiri-lo.

  • Marta Vila Flor Maia disse:

    Adorei a entrevista! Estou lendo o livro Tibetano sobre o Viver e Morrer e sinto que é a leitura mais importante de toda a minha vida.

  • maria de fatima leal ismael disse:

    Sogyal Rimpoche é uma verdadeira benção para aqueles que passam por momentos dificeis de perdass dolorosas.Quando minha filha estava na UTI jáinconsciente eu todos os dias dizia para ela que ela podia partir, que nós estaríamos sempre juntas e que ela encontrasse a clara luz.Tudo porque eu já vinha lendo e me preparando para esse momento extremamente doloroso.Em nenhum momento eu me deseperei,somente dizia,vai filha,vai para a clara luz.E mesmo apos a sua morte eu continuei em um estado de calma,pois sabia que ela estava precisando atravessar todo o processo de morte, conforme está no LIvro Tibetano dos Mortos.Isso me ajudou e enfrentar essa separação e me ajuda até hoje.Hoje estou me preparando para a passagem de uma prima muito querida e já comecei a fazer as meditações para que ela parta também em paz,para a clara luz.O artigo está muito interessante e nos alerta para a nossa propria finitude e como devemos atravessar este veu.Obrigada

Deixe seu comentário!

Esse site usa o sistema Gravatar. Para que sua foto apareça, basta se cadastrar.