| | | |

Trailer oficial do documentário TULKU

por 11/05/2009 3 comentários

gesar_mukpoNa cultura tibetana, um tulku é como se fosse um Buda vivo, emanação de uma sabedoria específica que se manifesta de mestre a mestre, formando uma linhagem. O exemplo mais famoso é a linhagem dos Dalai Lamas.

Com a expansão do budismo, alguns ocidentais foram reconhecidos como tulkus. Eles podem ser encontrados logo na infância, treinados e entronados, ou não aceitarem receber treinamento formal, como é o caso do ator Steven Seagal (reconhecido por Penor Rinpoche).

Gesar Mukpo, filho de Chögyam Trungpa, é um deles. Supostamente ele é a emanação de Shechen Kongtrul Rinpoche (um dos professores do próprio Trungpa!). Shechen morreu em 1960 e Gesar nasceu em 1973.

Apesar do nascimento divino, Gesar leva uma vida ordinária: trabalha como cineasta, tem problemas no casamento e se esforça para pagar as contas. Ninguém melhor para produzir um documentário sobre o que é ser um tulku ocidental.

Pelo que vi no trailer, seu documentário respeita o budismo ao mesmo tempo em que questiona a tradição dos tulkus. Além de incluir entrevistas com grandes mestres budistas, Gesar acompanha os dilemas de quatro novos tulkus. Um deles diz: “I don’t think my role is to be a teacher”.

O mestre budista e cineasta Dzongsar Khyentse Rinpoche (outro tulku!) afirma que o sistema de tulkus pode ser maléfico para o budismo (“Buddhism is more important than the tulku system”), ou seja, pode engessar o propósito dos ensinamentos: que não é reproduzir uma tradição, mas beneficiar as pessoas de diversos modos.

gesar2Imagine nascer com a responsabilidade de beneficiar os seres e dedicar sua vida à felicidade dos outros. Em uma das cenas, Dzongsar olha para Gesar e diz sorrindo: “We’re still waiting for him to do what he’s supposed to do!”. Para viver uma vida virtuosa, é necessário vestir mantos e aprender rituais?

Podemos também pensar em nossa própria condição. Mesmo não sendo tulkus, como podemos desenvolver nosso potencial de sabedoria e compaixão? Como podemos beneficiar os outros? O documentário de Gesar parece discutir todas essas questões.

Pelo pouco que vi, gostei muito da edição. O filme estréia agora em maio no festival DOXA. Assista ao trailer e deixe seu comentário aqui no blog!

Blog Widget by LinkWithin

Gustavo Gitti é aluno do Lama Padma Samten. Pode ser encontrado às quintas no CEBB São Paulo. | Leia outros posts de


Receba o próximo texto

3 comentários »

  • José Benetti disse:

    Muito interessante, Gustavo!

    Bom que essas questões sejam levantadas. Afinal de contas, esse é o princípio dos ensinamentos: teste, reveja, não aceite simplesmente.

    Se, por um lado, vivemos tempos de degenerescência, nos quais a prática se torna difícil, ao mesmo tempo estamos cercados de informações, de possibilidades, de acessibilidade. Há menos profundidade, mas ao menos é mais divertido e o hobby de ser bodisatva se torna mais atraente.

  • Gustavo Vanni disse:

    Legal o trabalho do Gesar Mukpo, gostei que aparece Chagdud Rinpoche. O Gesar também aparece no documentário de Meu professor perfeito. No entanto citar o nome de Steven Seagal como Tulku eu acho meio arriscado.
    Abraços,
    Gus

  • Gustavo Gitti
    Gustavo Gitti disse:

    Gustavo, quem o reconheceu como tulku foi Penor Rinpoche (entre no link do Seagal que leva para a Wikipedia). Mas eu também acho isso controverso, por isso citei como exemplo, que é o ponto levantado pelo documentário, ao que parece. ;-)

Deixe seu comentário!

Esse site usa o sistema Gravatar. Para que sua foto apareça, basta se cadastrar.