Imigrantes ilegais na Central de Processamento, em McAllen, Texas, domingo, 17 de junho de 2018. (Reprodução, Lion’s Roar).

O que acontece quando um governo perde sua compaixão?

Em texto publicado originalmente pela Lion’s Roar, a mestra Zen Roshi Joan Halifax comenta a política de separação de famílias de imigrantes, empregada pela administração do presidente Donald Trump

Por
Revisão: Caroline Souza
Tradução: Diego Navarro

Diante da polêmica ordem de separar pais e filhos imigrantes que cruzam ilegalmente a fronteira dos Estados Unidos, anunciada e posteriormente revogada pela administração do presidente Donald Trump, indivíduos e organizações de diversas partes do mundo têm articulado suas vozes indignadas através das ruas e redes sociais. Segundo a agência Associated Press, 2.033 crianças foram separadas de seus pais entre 19 de abril e 6 de junho, após tentar entrar no país em pontos fronteiriços oficiais (essa estimativa exclui aqueles(as) que chegaram por vias não oficiais).

Neste texto originalmente publicado pela LionsRoar.com, a mestra Zen Roshi Joan Halifax convoca-nos a manifestarmos a “audácia moral” necessária para lidar com estes tempos de profunda insensibilidade. Diagnosticando um déficit pervasivo de compaixão por trás da atitude de separação de crianças e suas famílias, Joan Halifax clama que não tenhamos medo diante do abismo: sobretudo em tempos assim, precisamos retomar e fazer valer nossos princípios éticos mais fundamentais.


O que acontece quando um governo perde suas diretrizes morais? Quando oficiais eleitos parecem agir sem qualquer integridade? Quando nossos políticos e seus oficiais parecem ter perdido qualquer traço de compaixão?

Tais questões têm borbulhado dentro de mim, sobretudo nesse momento em que a crise moral da administração Trump se aprofunda com sua política de separação de famílias.

Mais de duzentos professores e professoras budistas, eu incluída, clamamos pelo fim da separação de crianças e suas famílias na fronteira dos Estados Unidos com o México. Afirmamos em uma declaração que “separar crianças de seus pais e mantê-las confinadas implica em terríveis e desnecessários traumas e estresse para essas crianças, o que prejudica e impede seu desenvolvimento, causando danos de longo prazo. A aplicação dessa política em solo americano é algo extremamente injusto. Que tais ações flagrantes sejam executadas como impedimento para famílias que buscam entrada e/ou exílio nos Estado Unidos explorando o vínculo sagrado entre crianças inocentes e seus responsáveis é injustificável em todos os níveis.”

O que acontece conosco quando existe um déficit extremo de compaixão em certas partes do nosso país? Estou convencida de que o resultado atinge a todos nós.

Sabemos que a compaixão melhora a qualidade de vida daqueles que a recebem, além de beneficiar aqueles que a exercem. Ela beneficia, inclusive, aqueles que apenas observam atos compassivos.

A compaixão é uma experiência que nos afeta profundamente – quer a ofertemos, recebamos, ou sejamos apenas sua testemunha. Quando a compaixão se faz ausente, todos sofrem, incluindo aqueles que a rejeitam.

Também sabemos que ser compassivo é o que sustenta nossos princípios morais. De acordo com pesquisadores em psicologia, quando contemos a compaixão sentimos que nossa identidade moral é afetada. Isso porque a compaixão é essencial para que sejamos integralmente humanos. É a chave para reduzir a opressão sistêmica e nutrir uma cultura de respeito, civilidade, e pertencimento. É isto o que faz com que culturas, organizações e humanos sejam sucedidos.

Por favor, tenha em mente que não sou uma filósofa da moralidade. Porém, compreender a natureza da integridade e da moralidade corresponde a uma importante parte da minha vida.

Quando eu era antropóloga, descobri que existem muitas “plataformas morais”. Ideias sobre o que é certo e errado variam de cultura para cultura, até mesmo de pessoa para pessoa. No budismo, porém, foi me dada uma nova forma de entender integridade, perspectiva esta que vê através das lentes do sofrimento. Quando causamos sofrimento aos outros seres ou a nós mesmos, temos nossa integridade violada. Quando aliviamos o sofrimento alheio, temos nossa integridade afirmada.

Neste momento, neste país, quando estamos testemunhando crianças imigrantes sendo arrancadas dos braços de seus pais e aprisionadas em gaiolas e galpões, precisamos de uma sensibilidade moral muito forte. Precisamos ter a habilidade de reconhecer todas as violações morais e discernir sobre quais ações governamentais são moralmente justificáveis e quais não são.  Precisamos, também, de uma dose enorme de “audácia moral” um termo usado pela autora Joan Didion para descrever alguém que possui uma virtude não negociável quando se vê diante do abismo do mal.

Eu acredito que estamos pairando sobre este abismo neste instante se é que já não caímos dentro dele. Se não agirmos contra esses abusos, se nos escondermos atrás da apatia e não manifestarmos essa “audácia moral”, vivenciaremos um sofrimento moral profundo. Estes males são causados por ações tomadas em nosso nome que transgridem os fundamentos básicos da bondade humana. Sustentar nossos valores e princípios éticos ou não é o que afirma ou destrói nossa integridade e, portanto, nosso caráter.

Assim, quando penso sobre o que está acontecendo neste país agora, acredito que nosso sucesso enquanto democracia está sendo seriamente comprometido por um profundo déficit de compaixão e uma ausência pervasiva de integridade. Enquanto encaramos uma crise em nossas fronteiras, também enfrentamos uma crise moral que é repreensível. Precisamos manifestar a audácia moral e a compaixão, neste momento, pelo bem de todas(os) nós.


Agradecimentos à revista Lion’s Roar que prontamente atendeu nosso pedido e deu permissão à Bodisatva para tradução e publicação em nosso site deste texto originalmente publicado em 20 de Junho de 2018.

Leia também a carta assinada por 200 professores budistas em repúdio à política de separação de famílias de imigrantes na fronteira entre Estados Unidos e México.


Sobre Joan Halifax

Joan Halifax é a abade e diretora do Instituto e Centro Zen Upaya, em Santa Fé, Estados Unidos. Seu livro mais recente, Standing at the Edge: Finding Freedom Where Fear and Courage Meet explora como podemos lidar com os desafios colocados pelo peso do atual clima político.

 


Apoiadores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *